sábado, 30 de abril de 2016

PF investiga fraude no alvará sanitário do Hospital das Clínicas


Zé Vicente, o quase prefeito abraçando
Ruy Muniz, o quase ex-prefeito
A Polícia Federal está investigando a suspeita de fraude na concessão do alvará sanitário do Hospital das Clínicas, pertencente ao Grupo Soebras/Funorte. O documento, usado no chamamento público aberto pelo SUS, foi assinado por um técnico administrativo da Vigilância Sanitária, que não tem autonomia para esse procedimento. O caso estava mantido em sigilo, mas vazou nas redes sociais, depois que a Delegacia da Polícia Federal intimou a Vigilância Sanitária de Montes Claros a prestar esclarecimentos sobre a suspeita. A divulgação da intimação surpreendeu até mesmo à Polícia Federal.
A suspeita foi levantada depois que a Superintendência Regional de Saúde recebeu o dossiê do Hospital das Clínicas para participar do chamamento público e apresentou o alvará sanitário assinado por uma pessoa não identificada. O coordenador da Vigilância Sanitária, José Osmando, negou que a assinatura fosse sua. A PF foi acionada para averiguar o caso. No relatório encaminhado, José Osmando alega que o Hospital das Clínicas tinha requerido o alvará sanitário, mas como tem de cumprir cronograma, e estava fazendo as inspeções em outros hospitais, não pode acatar de imediato o pleito do Hospital das Clínicas.
Por isso, foi concedido um alvará provisório, para depois ser avaliado, quando o hospital entrasse em funcionamento, e passaria por nova inspeção. Porém, diante da urgência do hospital em cumprir as normas legais, a Vigilância Sanitária concedeu o alvará provisório. José Osmando informou, ainda, que dois fiscais sanitários foram ao Hospital das Clínicas. Porém, como estava de férias e os outros fiscais sanitários ausentes, o alvará sanitário foi assinado por um técnico administrativo, cujo nome não foi identificado ainda.
Ontem à tarde, os fiscais sanitários de Montes Claros foram ouvidos em depoimento na Polícia Federal, visando esclarecer as versões. A Polícia Federal acredita que as explicações oficiais estão visando camuflar o ilícito praticado, pois no alvará faltam todos os procedimentos legais, como o carimbo da Vigilância Sanitária e ainda o código de identificação profissionais, de quem emitiu o parecer.

Com informação do Gazeta

Inquérito de denunciação caluniosa contra Ruy Muniz é arquivado

(G1) A desembargadora Mônica Sifuentes deferiu o pedido do procurador regional da república, Alexandre Espinosa Bravo Barbosa, e arquivou o inquérito que investigava se o prefeito de Montes Claros (MG) Ruy Muniz (PSB) cometeu crime de denunciação caluniosa, ao apontar que os gestores dos hospitais do município estavam envolvidos com a “Máfia das Órteses e Próteses”, organização criminosa que fraudava o SUS e foi desarticulada na operação "Desiderato".
Segundo o artigo 339 do Código Penal, denunciação caluniosa é “dar causa à instauração de investigação policial, de processo judicial, instauração de investigação administrativa, inquérito civil ou ação de improbidade administrativa contra alguém, imputando-lhe crime de que o sabe inocente”. A pena varia de dois a oito anos de reclusão e multa.
A desembargadora entendeu que não houve comprovação de que Ruy Muniz agiu de má-fé ou com algum objetivo específico ao acusar os gestores. Antes de Muniz ser alvo desta apuração, outro processo que investigava a participação dos gestores nas fraudes ao SUS já havia sido aberto e arquivado, por falta de provas em janeiro deste ano.

Prisão do prefeito
Ruy Muniz permanece detido no presídio regional de Montes Claros desde 18 de abril. Ele foi preso na operação "Máscara da Sanidade II - Sabotadores da Saúde" e é acusado de prejudicar o funcionamento de hospitais públicos da cidade para favorecer um hospital privado, que é gerido pela sua família. Durante a ação também foi presa a secretária de Saúde, Ana Paula Nascimento.
A prisão de Muniz ocorreu um dia depois da mulher dele, a deputada federal Raquel Muniz (PSB), fazer uma homenagem a ele na sessão de votação do impeachment da presidente Dilma Rouseff (PT).

sexta-feira, 29 de abril de 2016

Rapaz furta R$ 170 mil e gasta em boate e com submetralhadora em MG

Materiais apreendidos com o rapaz de 18 anos
(G1) Um jovem de 18 anos que furtou R$ 170 mil do patrão dele, dono de uma loja de calçados, foi preso nesta quinta-feira (28) pela Polícia Militar em Montes Claros (MG). Informações levantadas pela PM apontam ele chegou a gastar parte do dinheiro em uma casa de shows.
“A quantia estava guardada em um depósito, ele viu o montante e cometeu o furto no sábado (23), mas o patrão dele só percebeu na segunda-feira (25). Tivemos informações de que ele gastou dinheiro pelo menos R$ 1.950 em uma casa de shows”, explica o tenente Édson Faustino. O homem trabalhava como Jovem Aprendiz na loja.
Uma equipe do Grupo Especializado em Policiamento de Área de Risco (Gepar) foi até um imóvel no Beco Saracura, na Vila São Francisco de Assis, depois de receber informações de que o rapaz estava no local. Ele estava utilizando o lugar para se esconder. Durante as buscas, foram apreendidos R$ 36.800 e uma submetralhadora de fabricação americana com 10 munições, que foi comprada com o dinheiro furtado.
“Ao perceber a chegada da equipe, ele tentou se desfazer do dinheiro e da arma, o material foi apreendido no telhado”, conta o tenente. Ao ser preso, o rapaz disse que comprou a submetralhadora para se defender, versão que a PM não acredita. Ele também contou que deixou parte da quantia com dois amigos, que ainda não foram encontrados.
O jovem, que não tinha passagens pela polícia, foi preso e levado para a delegacia junto com o material apreendido.

quinta-feira, 28 de abril de 2016

Mulher é internada em Janaúba com suspeita de gripe suína

Hospital Regional
Uma mulher está internada no Hospital Regional de Janaúba, com síndrome respiratória aguda e, segundo informações da equipe diretiva do local, a suspeita é de que ela tenha contraído o vírus da influenza A, conhecido por H1N1, ou gripe suína.A mulher de 28 anos, que está em estado grave, estava grávida quando foi internada e precisou ser submetida a uma cesariana de emergência, para que o bebê, de 28 semanas, pudesse ser salvo. Mas, por conta de uma desnutrição severa da paciente, a criança não resistiu e morreu.
Segundo a diretora assistencial do hospital, Magda Santos, todos os cuidados estão sendo tomados. “Ainda não é momento para grandes preocupações em relação a H1N1, uma vez que ainda não foi confirmado que a paciente contraiu a doença. Exames já foram feitos e enviados a Belo Horizonte, para que o caso seja analisado. Posso garantir que todos os procedimentos para que o tratamento seja feito estão sendo realizados”, afirma.
As amostras colhidas pelo Hospital Regional foram enviadas para a Fundação Ezequiel Dias (Funed), único laboratório responsável pelo diagnóstico laboratorial de H1N1 em Minas Gerais. O resultado deve ficar pronto, devido à complexidade do caso, em aproximadamente 15 dias.


Pablo de Melo
pablo-labs@hotmail.com

Fonte: G1

Enquanto cidade está entregue aos caos, Yuji viaja para receber prêmio de "Prefeito Empreendedor"

(Foto: Marlon Mendes - Divulgação)
(Por Ivo Júnior) Seria cômico se não fosse trágico. Enquanto a cidade enfrenta problemas de infra-estrutura em todos os setores. Enquanto servidores protestam na Câmara pela terceira semana consecutiva. Enquanto educadores permanecem em greve, deixando inúmeras crianças sem poderem ir para a escola, por falta de negociação com a prefeitura; o prefeito municipal viaja a Belo Horizonte para receber o Prêmio Sebrae Prefeito Empreendedor.
O Prêmio é uma conquista pelos trabalhos realizados e com méritos pela equipe técnica da Casa do Empreendedor. A Casa do Empreendedor é uma iniciativa em parceria com o Sebrae que deu certo. O projeto visa atender e direcionar os microempreendedores no mercado.
O problema é que a administração passa por um momento crítico, e que desde o início do mandato, ainda não mostrou a que veio. Obras paradas, atrasadas, ou que nem foram iniciadas é a marca da administração “Novos Caminhos”. Uma administração que pregou durante a campanha eleitoral de 2012, a marca do empreendedorismo, mas, vai terminar o mandato ao final de 2016 sem realizar nenhuma obra. Terminará como “uma administração, omissa, incapaz e inoperante”, como já foi dito diversas vezes pelos vereadores em diversas reuniões ordinárias da Casa Legislativa. Porém esses mesmos vereadores, até o momento não apresentaram nenhuma alternativa para solucionar esse problema.
Outro agravante é que mesmo alegando falta de recursos para sanar alguns compromissos, deslocou diversos servidores para acompanhá-lo, em uma demonstração de prestígio, a capital mineira. Enquanto a comitiva viajava a Belo Horizonte, servidores em greve estavam acampados na porta do gabinete e na porta da prefeitura em Janaúba, aguardando um representante para reunir com eles. O que parece não ter acontecido até o final do expediente.
Os grevistas, representados pelos sindicatos, estão convocando para esta quinta feira, 28 de abril, uma passeata, saindo da Praça do Cristo percorrendo o Centro e parando novamente em frente a prefeitura, para tentar pressionar algum representante do município em recebê-los.
O certo é que enquanto o prefeito de Janaúba segue a sua “Fantasia Administrativa” na capital mineira, a cidade enfrenta diversos problemas gerados exatamente pela ingerência do “Prefeito Empreendedor”. Há situações nos rincões norte mineiros que parecem que nem Freud conseguiria explicar.

Nova Porteirinha: Quadrilha de tráfico de drogas e armas é alvo de operação da PF

Ação é coordenada pela delegacia da PF em Montes Claros
(G1) A Polícia Federal realiza nesta quinta-feira (28) a operação "Todos Pagam”, que tem como objetivo desarticular uma organização criminosa que atua no tráfico de drogas e de armas no Norte de Minas Gerais, com ramificações no Mato Grosso do Sul. Estão sendo cumpridos 15 mandados de prisão temporária, 18 de busca e apreensão e 35 de sequestro de bens em Belo Horizonte (MG), São Joaquim de Bicas (MG), Nova Porteirinha (MG), Salinas (MG), Padre Carvalho (MG), Montes Claros (MG) e Iguatemi (MS).
Segundo as investigações, os membros da organização são os maiores fornecedores de drogas e armas do Norte de MG. O material que chegava na região era proveniente do Mato Grosso do Sul.
Os investigados podem responder por organização criminosa, posse e comércio ilegal de armas de fogo, furto, roubo, corrupção de testemunhas e lavagem de dinheiro. As penas máximas aplicadas podem ultrapassar a trinta anos.


Envolvimento em outros crimes
As investigações apontam que a quadrilha tem ainda envolvimento em vários assaltos. “Com extrema violência o grupo utilizava “forte” armamento, coletes a prova de balas, rádios e “viaturas” com plotagens falsas em suas ações criminosas”, diz a PF.
Em maio de 2015 eles roubaram R$ 1,5 milhão em pedras preciosas, R$ 150 mil em dinheiro e um carro de um empresário em Coronel Murta (MG). Na ação, os criminosos usaram roupas e até um carro com a identificação da Polícia Civil. Antes de fugir eles cortaram a fiação telefônica da comunidade, o que dificultou a comunicação no local, já que nem todos os pontos da cidade tem rede de telefonia celular.
Outro crime cometido pelo grupo teve como alvo uma casa lotérica em Fruta de Leite (MG), em novembro de 2015. Um adolescente foi apreendido dentro do estabelecimento com uma arma. Já em dezembro do mesmo ano, a quadrilha praticou um roubo aos Correios em Padre Carvalho. Um dos assaltantes entrou armado no local, enquanto outros permaneceram do lado de fora dando cobertura. A Polícia Militar foi acionada por moradores e conseguiu prender uma pessoa e apreender uma arma.
Já em março de 2016, de acordo com a PF, os criminosos assaltaram um posto de combustíveis na BR-251, eles fugiram levando o carro de um cliente e dois cofres, um deles foi encontrado abandonado em uma estrada.
Em abril, a quadrilha também tentou arrombar uma agência dos Correios em Itacambira (MG). Quatro homens foram mortos e dois ficaram feridos depois de uma troca de tiros com a Polícia Militar.

quarta-feira, 27 de abril de 2016

Em Janaúba, PM apreende drogas com menor que viajava de ônibus

Material apreendido durante cumprimento de
mandado

Droga apreendida na bolsa da menor
A Polícia Militar apreendeu mais de um quilo de maconha dentro de um ônibus na MG-122, em Janaúba (MG) nesta terça-feira (26). Uma adolescente foi detida.
Segundo as informações da PM, a droga estava escondida na bolsa da menor, que viajava no ônibus que seguia de Uberlândia para o Norte de Minas Gerais. A jovem foi levada para a delegacia junto com a maconha.
Já em Nova Porteirinha, um homem foi detido depois que PMs encontraram drogas na casa dele, no Centro, durante o cumprimento de um mandado de busca e apreensão. Ao perceber a chegada da viatura, ele fugiu para o banheiro do imóvel.
Durante as buscas foram apreendidas 73 pedras de crack, que estavam escondidas em vários cômodos da casa e de outra residência. A PM também apreendeu dinheiro e um celular. O preso e o material foram encaminhados para a delegacia.


Pablo de Melo
pablo-labs@hotmail.com

Aparelhos eletrônicos são apreendidos em cadeia de Salinas

Aparelhos eletrônicos encontrados pela PM eram utilizados por detentos 
A Polícia Militar de Salinas, em parceria com agentes de segurança penitenciária da cidade, realizou uma busca na Cadeia Pública de Salinas nesta terça-feira (26), onde localizou vários aparelhos eletrônicos que estariam sendo usados por detentos do local.
Segundo informações da PM, denúncias indicaram que um preso estaria usando um celular fornecido por uma advogada; informação que fez com que a polícia deflagrasse a operação. O início de um buraco feito na parede de uma das celas, que seria usado para que os suspeitos fugissem, também foi localizado. Uma foto pregada na parede conseguiu esconder a parte que já havia sido quebrada pelos presos.
Ainda de acordo com a polícia, quatro aparelhos celulares e seis aparelhos de rádio, da mesma marca, foram encontrados. A suspeita é de que o sinal de rádio da própria PM estivesse sendo captado pelos presos, já que os aparelhos estavam praticamente na mesma frequência.
Os detentos não usavam carregadores. A PM suspeita de que adaptadores tenham sido fabricados dentro da cadeia. Uma garrafa plástica, contendo pedaços de frutas, foi encontrada. Os presos a usavam para fabricação artesanal de cachaça, através de fermentação alcoólica.
Investigações serão instauradas para averiguar como os suspeitos tiveram acesso aos aparelhos. Todas as informações sobre a ocorrência foram encaminhadas para a Polícia Civil de Salinas, que coordenará as providências a serem tomadas.


Pablo de Melo
pablo-labs@hotmail.com

terça-feira, 26 de abril de 2016

Em Janaúba, Polícia Militar apreende 29 pássaros em uma casa

Pássaros estavam presos em gaiolas
A Polícia Militar apreendeu 29 pássaros em uma casa no Bairro Ribeirão do Ouro, em Janaúba (MG), nesta terça-feira (26).
Uma equipe da PM foi até o local depois de receber denúncias anônimas de que o imóvel era usado como criatório de aves. Os pássaros estavam presos em gaiolas. Um homem de 41 anos foi detido e levado para a delegacia.
Segundo as informações da PM, em princípio nenhum dos bichos apresentava ferimentos. Eles serão encaminhados para o Centro de Triagem de Animais Silvestres (Cetas), em Montes Claros (MG), onde serão avaliados.


Pablo de Melo
pablo-labs@hotmail.com

Em Joaquim Felício, batida entre ônibus e carreta deixa sete feridos

Ônibus bateu na traseira de um caminhão de carvão
Uma batida entre um ônibus e uma carreta deixou sete pessoas feridas na BR-135, em Joaquim Felício (MG), nesta segunda-feira (25). As vítimas foram socorridas pelo Samu e Corpo de Bombeiros.
Testemunhas disseram para os Bombeiros que a carreta, carregada de carvão, apresentou problemas mecânicos e estava parada na rodovia, o motorista não teria sinalizado o local. O condutor do ônibus, que seguia do Norte de MG para São Paulo, bateu na traseira do caminhão. Após a batida, a carga ficou espalhada na pista. O trânsito ficou parcialmente interditado.
Ainda de acordo com a Corporação, todas as vítimas estavam dentro do ônibus, que tinha 23 ocupantes. Uma delas, de aproximadamente 45 anos, apresentava ferimentos mais graves. Ela ficou presa às ferragens e foi socorrida por terceiros. Entre os passageiros, havia um militar do Corpo de Bombeiros, que teve uma fratura no nariz.


Pablo de Melo
pablo-labs@hotmail.com

Fonte: G1

Polícia Militar recupera 40 celulares roubados de loja em Bocaiuva

Celulares recuperados pela Polícia Militar
(G1) A Polícia Militar recuperou 40 celulares que foram roubados de uma loja em Bocaiuva (MG) nesta segunda-feira (25). Dois homens, de 20 anos, e um adolescente, de 17, foram detidos.
Segundo as informações da PM, dois entraram armados e renderam uma funcionária da loja, que fica no Centro da cidade. Após pegarem dinheiro e os aparelhos telefônicos, os criminosos fugiram de moto sentido a BR-365.
Durante a fuga, eles abandonaram o veículo e entraram em um carro, com mais dois comparsas e seguiram em alta velocidade. Os quatro assaltantes saíram do automóvel e foram cercados pelos policiais, um deles conseguiu fugir, mas já foi identificado. Os criminosos e o material recuperado foram encaminhados para a delegacia.

segunda-feira, 25 de abril de 2016

Em Janaúba dois homens são feridos a tiros na frente de um bar

Dois homens, de 26 e 48 anos, foram feridos a tiros neste domingo (24) no Bairro Isaías Pereira, em Janaúba (MG). A motivação do crime é desconhecida.
Segundo testemunhas, eles estavam sentados em frente a um bar na Rua Francisco Ferreira Mota, quando duas pessoas chegaram de moto. A que estava na garupa sacou uma arma e atirou. Elas foram identificadas e estão sendo procuradas.
De acordo com a Polícia Militar, os dois homens foram atingidos por um tiro. A vítima de 48 anos foi baleada no crânio. Eles foram encaminhados para um hospital.


Pablo de Melo
pablo-labs@hotmail.com

Mais uma posse de prefeito pode acontecer nos próximos dias em Jaíba

(Por Elton Paixão) A eleição de 2012 causou muita turbulência na vida política e financeira de Jaíba, que não parou de sofrer enormes crises com grande envolvimento da justiça e da polícia. Pela primeira vez na história política de Jaíba acontece a renúncia de um prefeito que foi resultado de parte de um acordo deste para salvar-se da prisão. O ex-prefeito Enoch, ficou encarcerado por quase quatro meses na cadeia de Montes Claros.
O então prefeito, Enoch Vinicius Campos Lima, preso e afastado de seu cargo por força da justiça, fechou acordo de delação premiada com o coordenador da Promotoria de Justiça Regional de Defesa do Patrimônio Público do Norte de Minas, promotor Paulo Márcio da Silva. O ex-prefeito deixou o Presídio Regional de Montes Claros, dia 8 de abril, e agora cumpre prisão domiciliar na casa de parentes.
A delação foi homologada pelo Tribunal de Justiça de Minas Gerais, o que abre caminho para a continuidade das investigações de corrupção que, segundo o Ministério Público, instalou-se na Prefeitura de Jaíba.
Uma das condições do acordo ou delação com o Ministério Público previu a renúncia de Enoch em definitivo ao cargo de prefeito, hipótese em que será necessária a realização de eleição indireta pela Câmara Municipal no prazo de 30 dias, contados a partir do protocolo da renúncia na secretaria da Casa.


O que prevê a lei sobre o próximo prefeito
No caso de vagos os cargos de prefeito e vice-prefeito, precisa ser cumprido o que vigora a Lei Orgânica do município que prevê:
Art. 145 – Vagando os cargos de Prefeito e Vice-Prefeito, far-se-á eleição noventa dias depois de aberta a ultima vaga.
§ 1º - Ocorrendo a vacância nos últimos dois anos de mandato, a eleição para ambos os cargos será feita trinta dias depois de aberta a ultima vaga, pela Câmara Municipal, na forma da lei.
§ 2º - Em qualquer dos cargos, os eleitos deverão completar o período dos antecessores.
Lembrando que a vacância ocorreu no dia 12 de abril, então a eleição indireta deve acontecer depois do dia 13 de maio. Provavelmente a instancia superior da justiça eleitoral deverá definir um ritual a ser cumprido, definindo assim o que pode e o que não pode ser feito nesta eleição.
Quando a Câmara escolher o nome do prefeito-tampão para encerrar o atual mandato, Jaíba terá assistido a sete trocas de mando no principal gabinete da Prefeitura. Enumerando o troca-troca podemos lembrar: 1º Jimmy (1 ano) – 2º Júnior Leonir (30 dias) – 3º Enoch – 4º Jimmy (11dias) – 5º Enoch – 6º Valdemir – 7º O próximo.
O ex-prefeito Enoch foi detido pela Polícia Rodoviária Federal, em Montes Claros, quando voltava de viagem na véspera do último Natal, em ação complementar à Operação 'Ração de Papagaio', deflagrada em março do ano passado pelo Ministério Público, após investigação de pagamentos de propinas em contratos diversos entre a Prefeitura de Jaíba e fornecedores. Outros três assessores do então prefeito Enoch foram presos na operação do final do ano passado. Os secretários Acir Silva de Oliveira (Planejamento), Weverton Silva Dias (Saúde), e Hudson Aparecido Pena Arruda (advogado). Apenas Enoch teria feito acordo para se livrar da prisão.

Antes da renúncia Enoch já tinha desistido da liminar
Antes de protocolar a carta de renúncia na Câmara Municipal de Jaíba, Enoch ainda na prisão já tinha efetuado junto à justiça da capital mineira a desistência de uma liminar que o mesmo tinha em mãos mantendo-o no cargo de prefeito. Esta liminar Enoch tinha conseguido para afastar Jimmy Murça que ficou no cargo por apenas 11 dias e esta atitude de Enoch favoreceria diretamente este ex-prefeito que ficou um curto período de tempo no comando do município.
A decisão do desembargador sobre este pedido de desistência de Enoch foi assim proferida: DECISÃO. Vistos. Compulsando os autos, verifico que a parte agravante requereu a desistência do presente recurso (fl. 677) e, conforme previsão do art. 998 do Código de Processo Civil, é possível acolher o pedido da parte recorrente “sem a anuência do recorrido ou dos litisconsortes”. Posto isso, homologo a desistência do recurso. Após, remetam-se os autos ao juízo de origem. Custas recursais, ex lege. Publiquem-se e intimem-se. Belo Horizonte, 28 de março de 2016. DES. VERSIANI PENNA.

domingo, 24 de abril de 2016

Prefeitura de Nova Porteirinha atrasa pagamento, e servidores poderão entrar em greve

Nova Porteirinha-MG.
Uma das poucas conquistas que a atual gestão da cidade de Nova Porteirinha poderia se orgulhar, foi por água a baixo recentemente. Uma das únicas prefeituras que estava pagando os servidores e fornecedores em dia, acabou falhando em sua tarefa neste mês. Aos vinte e quatro dias de abril, até neste exato momento a Prefeitura de Nova Porteirinha chefiada pelo prefeito Raul Alves ainda não efetuou o pagamento referente ao mês de março aos seus servidores. Esse atraso vem causando constrangimentos e danos na vida pessoal de muitos funcionários que dependem exclusivamente do salário pago pela prefeitura, chegando ao ponto de alguns servidores pediram ajuda para compra mantimentos para consumo pessoal. A prefeitura se defende tentando justificar o atraso, afirmando que o motivo seria a mudança do tesoureiro, gerando a necessidade da troca de assinaturas por parte do banco responsável pelo pagamento do funcionalismo. Isso confirma a falta de planejamento e previsão por parte da atual gestão, já que a simples mudança de um servidor causou um atraso de dias.
Em contato com a nossa reportagem, a presidente do sindicato dos servidores de Nova Porteirinha, Liana Almeida, confirmou a possibilidade da greve por parte dos servidores da prefeitura, não só por conta do atraso no salário, mas também pela falta de reajuste de salários em relação ao ano de 2015 e 2016, falta do pagamento da insalubridade aos trabalhadores que exercem funções consideradas de risco.
“Estamos aguardando uma posição do prefeito até segunda-feira (25), pra depois o sindicato fazer um novo pronunciamento”, disse Liana Almeida.

A Prefeitura de Nova Porteirinha através de um servidor confirmou que nesta segunda-feira (25) o dinheiro estará na conta dos servidores municipais. Confirmada essa informação, a população agradece.


Pablo de Melo
pablo-labs@hotmail.com

Sangrar até morrer: Prefeitura de Janaúba entra em colapso

Um título forte para uma administração fraca. A cidade de Janaúba sem sombra de dúvida poderá afirmar que, a atual gestão municipal é a pior de todos os tempos. Um prefeito incapacitado e sem nenhuma articulação política, e nesta retal está levando a prefeitura de Janaúba a total falência e caos. Talvez o caro leitor esteja achando um exagero, ou que não é bem assim. Pois bem, vamos expor a realidade que pode ser comprovada por qualquer cidadão que queria atestar os fatos.

Aterro sanitário virou lixão
Isso mesmo. Com um custo de milhões, o aterro sanitário que conquistado com muito esforço foi destruído rapidamente pela atual gestão. Como? Por falta de combustível, as máquinas responsáveis pela compactação diária do lixo não estavam realizando sua tarefa indispensável, gerando montanhas de lixo, não deixando outra opção se não a da queima desse material. E essa queima, além de destruir a lona que revestia o aterro, também vem prejudicando a saúde de moradores das redondezas, já que a fumaça gerada pelo lixo queimado é tóxica.

Funcionários em greve
Os funcionários da prefeitura de Janaúba têm dia e horário determinado para trabalhar, porém não tem data certa para receber. “Todos os meses é contar com a sorte e com Deus para poder receber o salário”, afirma uma funcionária. Por conta desse e outros abusos, o funcionalismo liderados por seus sindicatos optaram pela greve, como forma de tentar pressionar o prefeito a dar garantias de data fixa para o recebimento do pagamento, valorização e reajuste salarial.

Prefeitura endividada
A Prefeitura de Janaúba atualmente acumula uma dívida que ultrapassa a casa dos milhões, cerca de 17 milhões. Mesmo devendo valores astronômicos na praça, a prefeitura continua apadrinhando seus afilhados com alugueis gordos. Sendo só em imóveis a prefeitura tem uma dívida mensal de R$130 mil, isso sem contar a frota desnecessária de carros alugados.

Perda de recursos
Mensalmente a Caixa Econômica Federal, através de ofícios vem comunicando a Câmara de Vereadores sobre os recursos que estão sendo devolvidos pela prefeitura. Qual motivo? São vários, mas o mais comum é a falta de CND, a Certidão Negativa de Débito. A Prefeitura de Janaúba atualmente está sem a CND, já que está em débito com a Previdência a nível federal (INSS) e municipal (PREVIJAN). E por conta da falta deste documento a prefeitura fica impossibilitada de acessar recursos federais, e aí depois de um período esse dinheiro parado na conta tem que ser devolvido ao Governo.

E é nesse negro horizonte que o próximo prefeito terá que governar. Uma cidade que estava no caminho certo, e agora vê seu futuro ameaçado por um capricho de um homem que mal sabe ler e escrever em português. Que Deus tenha misericórdia da nossa cidade, pois não quero acreditar na frase que diz “o povo tem o governo que merece”.



Pablo de Melo
pablo-labs@hotmail.com

Deputada Raquel Muniz (PSD-MG): Críticos da corrupção na sessão do impeachment são alvos de denúncias

Deputada Raquel Muniz (PSD-MG)
Alvo de pelo menos quatro inquéritos criminais, entre eles por suspeita de formação de quadrilha e tentativa de homicídio, o deputado André Moura (PSC-SE) iniciou seu voto em favor do impeachment da presidente Dilma Rousseff afirmando que o país vive o maior escândalo de corrupção da história.
Um dos mais fiéis aliados do presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), o deputado sergipano também é investigado por suposto desvio de recursos públicos.
Pelos menos 7 dos 70 parlamentares que citaram "corrupção" na tribuna durante a sessão de domingo respondem a inquéritos ou ações penais no STF (Supremo Tribunal Federal) que miram em delitos graves como corrupção e desperdício do dinheiro público.
O caso da deputada Raquel Muniz (PSD-MG) é emblemático. Favorável ao impeachment e investigada por crime contra a fé pública, ela disse no plenário que o Brasil tem jeito e deu como exemplo de correção seu marido, o prefeito de Montes Claros (MG), Ruy Muniz.
Menos de 24 horas depois, Muniz foi preso sob a acusação de tentar inviabilizar o funcionamento de hospitais públicos e filantrópicos concorrentes da unidade de saúde que pertence à família dele.
Alberto Fraga (DEM) encabeçou a lista dos mais votados no Distrito Federal em 2014. Da tribuna, ele bradou: "Se 342 votos eu tivesse, 342 votos eu daria para salvar o país dessa corrupção, dessa ladroagem que se chama PT. Meu voto é "sim".
No STF, Fraga aparece como suspeito de ter recebido R$ 350 mil em propina quando era secretário de Transportes do DF, durante a gestão do governador José Roberto Arruda, preso pela PF em 2010.
Eleito pelo PSB da Paraíba, Rômulo Gouvêia afirmou, na sessão do fim de semana, que a Câmara estava votando "o combate à corrupção". "É o fim da corrupção", decretou.
Gouveia responde a uma ação penal sob a acusação de ter dispensado de forma ilegal licitação para contratação de uma empresa de publicidade quando presidia a Assembleia Legislativa da Paraíba, em 2003.
Ele também é um dos alvos de inquérito do STF, em segredo de Justiça, que investiga fraude no programa de internet gratuita no Estado. O contrato sob suspeita teve verba destinada pelo deputado.
Já Duarte Nogueira (PSDB-SP) não figura na relação de alvos do Supremo, mas em janeiro foi apontado pelo ex-presidente da Coaf (Cooperativa Orgânica Agrícola Familiar) Cássio Izaque Chebab como beneficiário da propina do esquema da merenda escolar.
Ele justificou seu voto em favor do afastamento de Dilma "pelo reencontro desse país maravilhoso com a esperança, porque não aguenta mais tanta afronta à Constituição, mentiras, impunidade e corrupção".
Um dos que pregaram a extinção "do projeto de poder e de corrupção" integra a lista de congressistas da Operação Lava Jato. Trata-se de Luiz Carlos Heinze (PP-RS).
O doleiro Alberto Yousseff citou o nome do parlamentar como um dos possíveis destinatários do suborno pago ao líder do PP à época. O dinheiro seria proveniente de desvios na Petrobras.
Não foi só a ala anti-Dilma que levantou a bandeira do fim dos malfeitos. A petista Érika Kokay (DF) afirmou votar contra a "corrupção que está sentada na presidência desta sessão [se referindo a Cunha]".
Ela responde no STF a inquérito por lavagem, corrupção e formação de quadrilha.

OUTRO LADO
Deputados ouvidos pela Folha negaram participação em irregularidades.
André Moura argumenta que não foram encontradas provas contra ele. "Foram denúncias de um adversário político, afastado da prefeitura por corrupção, que admite não ter provas e que já mudou depoimentos. Fui inocentado pela Justiça de Sergipe".
Duarte Nogueira ressaltou que a corregedoria do Estado concluiu a primeira etapa da apuração das fraudes na merenda em São Paulo e concluiu que ele "não recebeu nenhuma vantagem indevida". "Meu nome foi citado de forma irresponsável e leviana", acrescenta o tucano.
Érika Kokay atribui a investigação a um falso testemunho encomendado por um adversário que ela investigou na Comissão de Ética. Luiz Carlos Heinze diz que a citação a ele feita por Alberto Youssef é frágil. "Mostraram uma imagem minha e perguntaram ao Youssef se eu recebia. Ele pestanejou e disse que 'para mim, recebia'".
A Folha não conseguiu falar com Rômulo Gouveia e Raquel Muniz. Alberto Fraga não quis comentar. Em manifestações anteriores, Gouveia e Fraga se declararam inocentes.
Em nota oficial, Raquel disse não ver razão jurídica para a prisão do marido.


Folha de São Paulo

REVES NO INFINITO PARTICULAR DE RUY MUNIZ

Muniz em dois tempos: desfile em carro aberto no feriado do último Sete de Setembro e a chegada a Montes Claros após prisão da semana passada.Jogar beijinhos foi péssima ideia   


Demora em sair da cadeia e aparição no Fantástico complicam situação do prefeito de Montes Claros

(Por Luís Cláudio Guedes) A estratégia dos advogados do prefeito de Montes Claros, Ruy Muniz (PSB), para evitar danos maiores aos seus planos de reeleição após a prisão pela Polícia Federal na semana passada começa a fazer água. Frustrada a tentativa da obtenção do habeas corpus para evitar que o prefeito ficasse o fim de semana no presídio regional de Montes Claros, Muniz enfrenta novo e duro revés neste domingo.
Os bastidores da sua prisão será tema do quadro ‘Cadê o Dinheiro que tava aqui?’, do Fantástico. Potencializado no Brasil e exterior por conta da infeliz coincidência do voto da primeira-dama do município e deputada federal, Raquel Muniz (PSD), na votação da admissibilidade do impeachment da presidente Dilma Rousseff, no domingo passado, o estrago na imagem de Ruy Muniz beira o ponto da não reversão.
Raquel citou o marido, que seria preso pela Polícia Federal horas depois, como exemplo de gestão para o país. Muniz é acusado de direcionar atendimentos dos SUS para o Hospital Mário Ribeiro, ligado ao grupo empresarial Soebras, de sua propriedade, movimento que teria configurado tentativa de prejudicar os hospitais concorrentes e filantrópicos em Montes Claros.
Escrevi aqui outro dia que Ruy & Raquel são os meus malvados favoritos. Não é de hoje, as trapalhadas do casal rendem farto material para o cronista político. Há nove anos escrevi o artigo ‘O infinito particular de Ruy Muniz’, em que, de certa forma, alertava para os riscos da megalomania que se tornou a marca registrada do empresário.
A derrapada da primeira-dama horas antes da prisão de Muniz é desses acontecimentos imprevistos contra os quais há pouco a fazer. O prefeito, contudo, poderia ter evitado o gesto quase infantil de jogar beijinhos para a claque que contratou para recebê-lo na chegada a Montes Claros, a caminho do Presídio Regional. Passou arrogância e entregou de bandeja a imagem que pode vir a ser o hit da próxima sucessão municipal em Montes Claros. Ruy parece ter dificuldade em lidar com as adversidades. Veja o caso do Sete de Setembro do ano passado, quando, imprevidente, desceu do palanque para ficar a poucos metros do arco e flecha cenográficos que a índia Juvana Xakriabá empulhava em sua direção. Mais recentemente, ao enfrentar servidores municipais em greve, Muniz sugeriu que não admite malandragem e mandou os grevistas irem 'tomar no copinho'. Outro gesto desnecessário, que contribuíram para minar sua popularidade.
Esta segunda prisão de Muniz trouxe à tona o golpe de um milhão de dólares que protagonizou contra um banco público, em 1987. À época, Ruy era filiado ao PT. Vejam que ironia do destino: ao seu modo, ele antecipou em duas décadas o que viria se tornar o modus operandi do lulopetismo: o assalto às empresas públicas como método para eternizar seu projeto de poder. Vejam o que Ruy disse sobre o assalto ao banco federal:
"O roubo está ligado a minha militância política na juventude. Eu e meus amigos queríamos fortalecer o Partido dos Trabalhadores na região, ganhar eleições. Nós vimos que o sistema era corrupto e quisemos usar as mesmas armas do sistema. Pegamos o dinheiro de forma ilegal, jogamos com as mesmas armas deles". José Dirceu certamente avalizaria a tese.
Na entrevista que concedeu ao repórter Fredi Mendes (aquele mesmo que virou assessor de Raquel Muniz e envergonha o jornalismo livre ao chamar sua assessorada de ‘abelha rainha’), da Revista Tempo, lá pelos idos de 2007, Ruy Muniz explicitou o que chamei de seu infinito particular. Ruy previu que seria prefeito de Montes Claros e que usaria o cargo como plataforma de lançamento para voos muito mais ambiciosos: chegar ao governo do Estado e, posteriormente, à Presidência da República, no que repetiria os passos de Juscelino Kubitschek.
Médico de formação como JK, Muniz sonhava alto. Fala Ruy: "Querer é poder. Eu serei prefeito de Montes Claros, estou certo disto. Depois farei uma administração tão exemplar que ganharei reconhecimento em todo o Estado, e vou chegar ao Governo de Minas. Depois meu nome irá se projetar para o resto do país e certamente vou me tornar presidente da República. Pode escrever isso aí na entrevista..."
Ao ser preso pela Polícia Federal aqui em Brasília na manhã da segunda-feira (18), Ruy provavelmente teve o lampejo de que seu universo infinitamente particular ganhou limites não calculados. Quando deixar a prisão nos próximos dias, quiçá antes do seu aniversário de 56 anos no dia 2 de maior, o prefeito de Montes Claros terá a difícil missão de reverter os estragos da sua segunda temporada na prisão.


Vejam o que escrevi sobre Muniz no segundo texto sobre seu infinito particular:
“A realidade por vezes costuma ser madrasta com sonhos de hegemonia política. Na série de entrevistas que deu antes de assumir o cargo de prefeito de Montes Claros, o empresário Ruy Muniz ( então no PRB), traçou panorama de puro otimismo para o futuro (dele naturalmente). Uma virada pelos próximos oito anos nos rumos da visível deterioração por que passa a principal cidade do Norte de Minas seria, na visão de Muniz, passaporte para voos maiores. O governo de Minas e a Presidência da República, em horizonte de quatro mandatos (ou 16 anos no calendário). Projeto factível para seus quase 53 anos de vida. Mas...
Tem sempre o tal do ‘mas’. Sobram prenúncios de pedras no meio do caminho, como diria o poeta. Nem bem esquentou a cadeira de prefeito, Ruy Muniz amargou duas derrotas importantes para quem mira o céu como o não limite. Numa delas, ainda nos umbrais deste 2013, perdeu a disputa pela presidência da Câmara de vereadores de Montes Claros. A Presidência da Câmara, sempre estratégica no tabuleiro institucional e político, foi parar nas mãos da oposição. Figuras como Ruy Muniz não deixam de ser instigantes. Têm essa capacidade meio quixotesca de sonhar com o inatingível e anteciparem expectativas. O desafio que Muniz tem pela frente não é mesmo pequeno, porque Montes Claros é versão reduzida das muitas mazelas das nossas metrópoles (transito caótico, ocupação desordenada do solo por conta da migração, violência, sistemas falidos de saúde e educação, e por aí vai). Sem ter dado nenhuma mostra real de que vai colocar a cidade "de voltas aos trilhos’, até porque quando deu as tais entrevistas ainda não estava no cargo , o prefeito de Montes Claros pula etapas e começa a sonhar com o Palácio Tiradentes. No meio do caminho perde a Câmara Municipal e a Amams. Ruy Parece mirar seu infinito particular... Enquanto isso, a roda gira e a areia do tempo começa a passar pelo buraco da ampulheta”.
Pois é. A ampulheta rodou e a sorte não coadunou com os sonhos megalomaníacos de Ruy. Sua trajetória, como disse mais acima, é farta em material para os cronistas da política. A primeira-dama Raquel não deixa por menos. Após perder as eleições para deputada estadual em 2010, quando ficou com apenas 10,8 mil votos, a deputada trapalhona conseguiu o milagre das multiplicação dos votos para, na eleição seguinte, chegar aos 96 mil sufrágios na eleição para o Congresso Nacional. Raquel buscava fugir da vala comum em que se misturam deputados do baixo clero aqui em Brasília. Foi com muita sede ao pote e logo mais será a estrela do quadro 'Cadê o dinheiro que tava aqui?' .

STJ desacolhe recurso de médico de Montes Claros responsabilizado pela morte de recém-nascido que caiu de maca

O vaqueiro José e a dona de casa Socorro ao lado da sepultura do recém-nascido


(Por Fábio Oliva) O Superior Tribunal de Justiça (STJ) negou provimento (não acolheu) recurso de um médico de Montes Claros-MG contra acórdão do Tribunal de Justiça do Estado de Minas Gerais (TJ-MG) que o condenou a pagar indenização à dona de casa Socorro Pereira dos Santos e ao vaqueiro José Pereira dos Santos, de Januária-MG. Um recém-nascido filho do casal caiu da maca ginecológica durante o parto e morreu de traumatismo craniano e hemorragia endocraniana.
A decisão do STJ foi proferida quase onze anos depois do fato, ocorrido em 12 de setembro de 2005, no Hospital Municipal de Januária. A Prefeitura de Januária também foi condenada solidariamente com o médico a pagar a indenização de R$ 108,6 mil, que corrigida e atualizado monetariamente, chega a cerca de R$ 350 mil.
No recurso, a defesa do médico Leonardo Biondi sustentou que ele “não agiu com negligência e não deu causa ao dano sofrido” pelos pais do recém-nascido. Muito pobre, o casal enterrou o bebê no quintal da casa onde mora porque não tinha R$ 28,00 para pagar a taxa de sepultamento exigida pela empresa que administrava o Cemitério de Januária.
Conforme o acórdão do TJ-MG, “restou suficientemente comprovada a negligência” do médico Leonardo Biondi. De acordo com a decisão, o médico saiu da sala de exames e deixou a gestante em trabalho de parto sozinha, “o que acabou por levar ao óbito do recém-nascido, que, por não contar com qualquer apoio no momento do seu nascimento, veio a cair da mesa de exames em que se encontrava sua mãe, sofrendo traumatismo craniano e hemorragia endocraniana”.
Segundo a Ministra Assusete Magalhães, relatora do Recurso Especial aviado pela defesa do médico Leonardo Biondi, a revisão do entendimento adotado pelo TJ-MG “no sentido de que restou devidamente comprovada a atuação negligente do médico, a qual terminou por ocasionar o falecimento do bebê após o parto, somente poderia ser realizada mediante o reexame dos aspectos concretos da causa, o que é vedado no âmbito do Recurso Especial pela Súmula 7” do STJ.
Atuaram em defesa do médico os advogados Petrônio Peixoto Pena, Páris Peixoto Pena, Maria Beatriz Campomizzi e Carlos Américo Cardoso Moreira. Pelo casal atuou o advogado Rodrigo Silva Fróes.
O médico Leonardo Biondi não foi encontrado pela reportagem para comentar a decisão do STJ.

Agravo em Recurso Especial nº 880.131 – MG (2016/0062099-4)

Em Taiobeiras, dois homens pegam R$ 300 mil de cofre de banco e são presos

Porta quebrou e vidro ficou espalhado pelo chão

Dinheiro estava dentro de cofre
Dois homens, de 21 e 42 anos, foram presos pela Polícia Militar quando se preparavam para fugir com dinheiro retirado de um cofre do Banco do Brasil em Taiobeiras (MG) na madrugada deste domingo (24). As informações são de que eles haviam conseguido pegar R$ 300 mil.
“A central de monitoramento do banco informou que o alarme da agência disparou e que dois indivíduos estavam sendo flagrados pela câmeras dentro do local. Rapidamente montamos uma operação, inclusive com a participação de militares que estavam de folga, já que não sabíamos se eles tinham comparsas e se estavam armados”, conta o tenente Welson Rodrigues Barbosa.
Segundo as informações do policial, os criminosos entraram pelo fundo do imóvel, depois de arrombarem uma janela.
“Eles já tinham retirado o dinheiro, que foi guardado em sacos plásticos. Estavam se preparando para sair pelo mesmo local da entrada, quando viram os militares nos fundos. Eles correram para a parte da frente da agência, mas viram que estavam cercados. Demos ordens para que deitassem no chão com as mãos na cabeça, mas mesmo assim, eles continuam tentando fugir, por isso foi necessário efetuarmos alguns disparos para conter a fuga”, destaca o tenente.
Nenhum dos criminosos foi atingido pelos disparos. Quando tentavam fugir, eles quebraram uma porta de vidro e tiveram algumas escoriações. Logo após a prisão, a dupla teve que ser levada para um hospital.
Foram apreendidas diversas ferramentas usadas no arrombamento e nenhuma arma foi encontrada. De acordo com a PM, o homem de 21 anos é natural de Araçuaí (MG) e o de 42 é de Teófilo Otoni (MG), eles têm passagens por furto, receptação e tráfico de drogas. Os dois serão levados para a delegacia de Taiobeiras.


Pablo de Melo
pablo-labs@hotmail.com

Fonte: G1

Ruy Muniz ‘tinha amplo projeto criminoso’, diz MPF

Prefeito de Montes Claros, Ruy Muniz foi preso na última segunda
O Ministério Público Federal atribuiu ao prefeito de Montes Claros, no Norte de Minas, Ruy Muniz (PSB), um “amplo projeto criminoso” para favorecer seu grupo econômico. Ele foi preso na última segunda-feira pela Polícia Federal.
Na denúncia de 55 páginas contra Muniz, entregue ao Tribunal Regional da 1.ª Região (TRF1) no dia 12 de abril, o procurador Regional da República Alexandre Camanho de Assis afirma que o prefeito realizou “favorecimento ilegítimo” do Ambar Saúde (Hospital das Clínicas Dr. Mário Ribeiro da Silveira), grupo hospitalar ligado à família do próprio prefeito. Segundo a acusação, Muniz “destruiu” hospitais concorrentes na cidade.
A Polícia Federal estima que 1,6 milhão de pessoas foram afetadas pelos crimes atribuídos ao prefeito.
Ruy Muniz foi preso por ordem do Tribunal Regional Federal da 1.ª Região (TRF1). Também foi presa a secretária municipal de Saúde Ana Paula de Oliveira Nascimento. “A secretária municipal de Saúde aderiu ao programa criminoso de seu chefe”, diz a Procuradoria.
No dia anterior a sua prisão, o prefeito havia sido elogiado pela mulher, a deputada Raquel Muniz (PSD-MG). Durante a votação do processo de impeachment de Dilma Rousseff na Câmara, a parlamentar enalteceu a gestão do marido. “Meu voto é pra dizer que o Brasil tem jeito, o prefeito de Montes Claros mostra isso para todos nós com sua gestão”, afirmou.

Na denúncia contra Ruy Muniz, a Procuradoria faz um histórico de sua carreira. “O acusado Ruy Muniz tornou-se notório no Estado de Minas Gerais, em fins dos anos 80, por um golpe milionário contra o Banco do Brasil. No final dos anos 90, em negociação nebulosa, assumiu uma entidade filantrópica preexistente e passou a sistematicamente abusar de sua personalidade jurídica para vultosa sonegação de tributos e contribuições beneficiárias perpetrados suas empresas, ingente enriquecimento pessoal e familiar, e proselitismo político”.



Pablo de Melo
pablo-labs@hotmail.com

Fonte: O Tempo